INFLUÊNCIA DA ALTURA DE CORTE NA QUALIDADE DA SILAGEM DE MILHO (ZEA MAYS)

Autores

  • Marco Antônio Lopes Centro de Ensino Superior de São Gotardo - CESG
  • Maria Luz Silva Soares Centro de Ensino Superior de São Gotardo - CESG
  • Mayra Carolina de Oliveira Centro de Ensino Superior de São Gotardo - CESG
  • Mariana Cecília Melo Centro de Ensino Superior de São Gotardo - CESG

Resumo

Objetivou-se avaliar a qualidade de silagem de milho em função de difentes alturas de corte mecânico.O experimento foi realizado em  São Gotardo -MG. O milho híbrido utilizado foi o FS 521 semeado em 08/09/2021. Os tratamentos avaliados foram as diferentes alturas de corte das plantas (0,20; 0,40; 0,60 e 0,80 m do solo). As amostras de cada altura de corte da silagem para avaliação da composição bromatológica das amostras foram coletadas aleatoriamente e encaminhadas para análises laboratoriais. Os teores de MS variaram de 28,8 a 32,8% para as alturas de 20 e 60 cm. O teor de amido na silagem de milho variou de 26 a 32,6 % da composição da silagem. De acordo com o Departamento Técnico Agroeste, as alturas de corte de 20, 40 e 60 cm classificam-se  como boa a silagem e aos 80 cm como muito boa para os teores de amido.  Quanto ao escore de processamento, observou-se que houve aumento à medida da altura do corte das plantas de milho. A digestibilidade da Fibra em Detergente Neutro 30h houve variação de acordo com a altura de corte,  com valores de 47; 53; 41 e 55% aos 20, 40, 60 e 80 cm do corte. A elevação na altura de corte da planta de milho proporciona maior  acúmulo de matéria seca, teor de amido, escore de processamento e diminuição na fibra detergente neutro e aumento na digestibilidade de fibra em detergente neutro, melhorando as características da silagem.

Downloads

Publicado

2022-09-08